atlas IBGE

O IBGE lança hoje a versão WEB do Atlas Geográfico das Zonas Costeiras e Oceânicas do Brasil.

Em parceria com a Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM), a nova versão é voltada para estudantes e o público em geral, e contém informações sobre os oceanos e o litoral brasileiro, as dimensões histórica, demográfica, econômica, social, cultural e natural. Clique aqui para acessar o aplicativo.

De forma interativa, a versão digital do Atlas tem todas as informações da versão física, publicada em 2011. O objetivo é incentivar a sociedade a pensar, conhecer e valorizar o uso racional da biodiversidade e dos recursos minerais e energéticos presentes nas águas oceânicas, solo e subsolo marinhos, que constituem parte fundamental do desenvolvimento socioeconômico e da sustentabilidade ambiental do país em consonância ao ODS 14 “Vida no Mar” que trata da conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável.

Aplicativo permite navegação em ambiente interativo

A nova versão dá ao usuário acesso ao conjunto de mais de 120 mapas editorados e também às bases de dados. Também é permitido fazer download e consulta aos dados geográficos, estatísticos, além de analisar os mapas, podendo fazer navegação, alteração da escala de visualização, visualização e exportação de tabelas e arquivos gráficos, personalização do mapa, gerar imagens e salvar o ambiente de estudo.

Fonte: IBGE, Diretoria de Geociências, Coordenação de Geografia

 

O Atlas é estruturado em sete temas. O mar na história do Brasil ressalta a questão da expansão colonial portuguesa e a importância do mar na organização do espaço brasileiro. O Mapa geopolítico do Brasil aborda a posição relativa do Brasil no Atlântico e na América do Sul, explicitando os seus limites do Mar territorial, Zona contígua e Zona econômica exclusiva.

Ponta do Seixas, em João Pessoa (PB), é o extremo leste do Brasil
Foto: Marco Antônio de Carvalho Oliveira

 

A Evolução geológica dos oceanos detalha a origem e a estrutura tectônica atual das bacias oceânicas, assim como alguns resultados das últimas pesquisas na plataforma continental brasileira, além da questão do potencial de seus recursos minerais. As Características oceanográficas apresentam um quadro geral dos fenômenos oceanográficos no Atlântico, fundamentais ao entendimento das questões ambientais, costeiras e marinhas, no Brasil.

O tema Ecossistemas costeiros e marinhos ressalta a diversidade de ambientes costeiros e marinhos brasileiros, com particular relevância das áreas para conservação e uso sustentável de ecossistemas. A Diversidade de aspectos do litoral brasileiro apresenta mapas de 14 áreas de detalhe da costa brasileira, abrangendo diferentes ambientes e quatro mapas das ilhas oceânicas, e da distribuição de áreas urbanizadas no litoral brasileiro.

Por fim, o capítulo Questões transversais no estudo dos ambientes costeiros e oceânicos trata de vários temas socioeconômicos e sua relação com esses ambientes, abrangendo questões populacionais, turismo, balneabilidade, recursos pesqueiros, estrutura portuária, logística do petróleo e áreas de preservação e proteção ambiental.

Share This:

Go Field Collector

No APP Field Colector você coleta as coordenadas de seu ponto de campo.

Equipes de campo se vêem obrigadas a levar vários itens para registro de cada dado de seu trabalho, como cadernos, planilhas impressas, canetas, lápis, câmeras fotográficas, calculadoras, bússolas, GPS, entre outros. O uso do GO FIELD COLLECTOR em seu celular ou tablet permite a TOTAL PRATICIDADE do trabalho sem a necessidade de levar qualquer outro item.

PRATICIDADE
É FUNDAMENTAL

No APP Field Colector você coleteta as coordenadas de seu ponto de campo, descreve o local e tira fotos, tudo em um mesmo tablet ou celular, on line ou off line.

Pode-se Salvar automaticamente todas as informações coletadas na nuvem e analisar seu trabalho pelo go field collector web. No sistema você pode selecionar os melhores pontos, as melhores fotos e mesmo editar a descrição feita em campo.

Uma das funcionalidades é a produção de fichas de campo automaticamente, para o seu relatório de trabalho. Tudo organizado por missão e assim pode-se Eliminar horas de trabalho em escritório, depois de voltar do campo.

INFORMAÇÕES
ORGANIZADAS

Esqueça as folhas pautadas do caderno, as planilhas em folhas impressas e as dezenas de post-its. No GO FIELD COLLECTOR os dados são inseridos em fichas digitais, com campos exclusivos para os tipos de dados e automaticamente organizados em conjuntos para cada missão. O recurso de buscas de qualquer dado registrado permite versatilidade no trabalho e em seu planejamento.

FOTOS ASSOCIADAS
AO PONTO COLETADO

A máquina fotográfica e a caderneta de campo são substituídas pelo uso do GO FIELD COLLECTOR. Para cada ponto registrado o sistema pode associar até 4 fotos, capturadas com a câmera do dispositivo móvel. Estas fotos, assim como as anotações de campo, ficam associadas às coordenadas do ponto visitado e prontas para serem salvas na nuvem e produzirem o seu relatório de campo em poucos minutos.

TRANSMISSÃO DE DADOS
PARA A NUVEM

A versatilidade do GO FIELD COLLECTOR permite o envio dos dados coletados e registrados para a nuvem de forma segura e automática. O envio dos dados é feito no momento em que você tiver uma conexão com a internet. Se estiver off line, o seu trabalho poderá ser feito normalmente e com toda segurança. Os dados irão para a nuvem quando a conexão for restaurada.

TODOS OS SEUS DADOS SOBRE
MAPAS DO GOOGLE

O GO FIELD COLLECTOR se completa com a versão WEB. Acessando o site do sistema, você terá em sua conta, todas as suas missões de campo com seus respectivos dados coletados, organizados e acessíveis, sobre a base do GOOGLE MAPS. Neste ambiente você poderá visualizar, analisar e editar toda a sua produção de campo e também se planejar para o próximo dia de trabalho.

RELATÓRIOS COMPLETOS, CUSTOMIZADOS E PRONTOS

Com o GO FIELD COLLECTOR, o trabalho que era feito antes de forma manual para a produção de fichas de campo e relatórios, passa a ser automático. No ambiente WEB, você seleciona os pontos desejados, edita os textos digitados em campo, escolhe a ordem das fotos ou pode adicionar novas fotos, insere a sua logomarca e então gera o seu relatório de campo. Tudo em poucos minutos!

Fonte: https://www.gofieldcollector.com.br/

#coletadecampo #geoprocessamento #gis #sig #arcgis #qgis #giscursos #analiseambiental #analisederisco

 

 

Share This:

Algumas fontes de dados GRATUITOS para SIG!

Os especialistas em GIS precisam atualizar constantemente seus dados para a criação de mapas e análises de dados espaciais. Essas fontes de dados gratuitos fornecem tudo o que um usuário de GIS precisa para com imagens de satélite,  dados de elevação, fotografias aéreas, informações hidrográficas e  informações ambientais, limites administrativos, estradas, dados populacionais e etc,  manter atualizado seus dados para a Criação de Mapas e análise de dados espaciais

1 – OpenStreetMapData

O projeto OpenStreetMap coleta uma incrível quantidade de dados geográficos e torna disponível para o mundo gratuitamente. Mas os dados brutos do OpenStreetMap são difíceis de usar. No site da OpenStreetMapData você encontrará alguns desses dados pré-processados e formatados para facilitar o uso.

 O pré-processamento inclui a remoção ou reparação de dados errados e a montagem de diferentes partes dos dados em um todo utilizável. Os dados são formatados em Shapefiles para fácil utilização nas aplicações SIG usuais.

 Este site oferece muitos conjuntos de dados na escala mundial pronto para download, como polígonos terrestres, polígonos de água, litorais, dados do corpo de água e mais …

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

2 – Natural Earth Data

 O Natural Earth Data é um conjunto de dados de domínio público oferecido nas escalas 1: 10m, 1: 50m e 1: 110 milhões. Com dados vetoriais e raster bem integrados, com os dados do Natural Earth Data você pode criar uma variedade de mapas visualmente bem elaborados e agradáveis com softwares SIG.

 O Natural Earth Data foi construído através de uma colaboração de muitos voluntários e é apoiada pela NACIS (Sociedade Norte-Americana de Sociedade Cartográfica) e é gratuito para uso em qualquer tipo de projeto. Os temas de dados estão disponíveis em três níveis de detalhe. Para cada escala, os temas são listados nas páginas de categorias Culturais, Físicas e Raster.

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

3 – DIVA – GIS Data

 DIVA-GIS é um programa de computador gratuito para mapeamento e análise de dados geográficos (um sistema de informação geográfica (SIG).

 O site DIVA-GIS fornece dados espaciais gratuitos para todo o mundo que você pode usar em qualquer programa SIG. Você pode baixar os dados do nível do país para qualquer país do mundo: limites administrativos, estradas, ferrovias, altitude, cobertura do território, densidade populacional. Você também pode baixar dados climáticos globais, dados de ocorrências de espécies, DEM e imagens de satélite de alta resolução.

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui! 

4 – EarthExplorer

A ferramenta EarthExplorer (EE)  do Serviço Geológico do Estados Unidos (USGS) fornece aos usuários a capacidade de consultar, pesquisar e solicitar imagens de satélite, fotografias aéreas e produtos cartográficos de várias fontes. Além dos dados das missões Landsat e de uma variedade de outros provedores de dados, a EE agora fornece acesso aos produtos MODIS das missões Terra e Aqua da NASA e aos produtos ASTER de nível 1B nos Estados Unidos e Territórios da missão ASTER da NASA . Os usuários registrados da EE têm acesso a mais recursos que os usuários convidados.

 Para fazer o seu cadastro e o download gratuito dos dados clique aqui!

5 – SimpleGeo Public Spaces

 Se você quiser colocar suas mãos em mais de 21 MILHÕES de pontos de interesse que cobrem 63 países, a SimpleGeo entrega os seus dados configurados para você em um único arquivo. O arquivo tem de cerca de 2 GB no formato .ZIP e são disponibilizados sob a licença CC0, esses dados se tornam seus – grátis e claro – para fazer o que quiser.

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

6 – Sentinel Satellite Data

 O satélite Sentinel da Agência Espacial Européia é no momento o possuidor da maior resolução espacial disponível para o público gratuitamente. Uma cena após a outra, os dados foram lançados em uma interface de usuário chamada Sentinels Scientific Data Hub.

 Esta versão do Sistema de Hub de Dados suporta a disseminação do acesso de dados do ESA Copernicus Sentinels. Ele fornece uma interface de usuário gráfica básica para permitir o acesso e o download de dados interativos e uma poderosa Interface de Programação de Aplicativos, que permite aos usuários acessar os dados através de seus próprios programas de computador, scripts ou aplicativos.

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

7 – FAO GeoNetwork

O FAO GeoNetwork fornece acesso à mapas interativos, imagens de satélite e bases de dados espaciais mantidos pela FAO e seus parceiros. O objetivo é melhorar o acesso e o uso integrado de dados e informações espaciais.

 Os mapas, incluindo os derivados de imagens de satélite, são ferramentas comunicacionais efetivas e desempenham um papel importante no trabalho de vários tipos de usuários: tomadores de decisão, especialistas em SIG e analistas espaciais.

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

 8 – Global Map

O Global Map, produzido pelo Comitê Diretivo Internacional sobre o Mapeamento Global, é um conjunto de camadas SIG consistentes que cobrem o globo inteiro em uma resolução de 1 km, incluindo: transporte, elevação, drenagem, vegetação, limites administrativos, cobertura terrestre, uso do solo e centros populacionais.

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

9 – Open Topography

A OpenTopography facilita o acesso da comunidade a dados de topografia, topografia e ferramentas de alta resolução, bem como ferramentas e recursos relacionados. Os conjuntos de dados hospedados pela OpenTopography estão disponíveis em formato de nuvem de pontos (LiDAR) para download e processamento (por exemplo, criação de MDEs personalizados). Além disso, produtos de dados derivados, como quadros e sobreposições de imagem do Google Earth, também estão disponíveis.

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

10 – UNEP Environmental Data Explorer

 O Environmental Data Explorer é a fonte autorizada de conjuntos de dados utilizados pelo UNEP (Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente)  e seus parceiros no relatório do Global Environment Outlook (GEO) e outras avaliações ambientais integradas. Sua base de dados online contém mais de 500 variáveis diferentes, como estatísticas nacionais, sub-regionais, regionais e globais ou como conjuntos de dados geoespaciais (mapas), abrangendo temas como Água Doce, População, Florestas, Emissões, Clima, Desastres, Saúde e PIB.

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

11 – NEO Earth Observations (NASA)

 Aqui você pode navegar e baixar imagens e dados dos satélite da constelação do Sistema de Observação Terrestre da NASA. Mais de 50 conjuntos de dados globais diferentes são representados diariamente, semanalmente e mensalmente, e as imagens estão disponíveis em vários formatos, incluindo JPEG, PNG, Google Earth e GeoTIFF.

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

12 – CGIAR – CSI

 O GeoPortal CGIAR-CSI fornece dados de elevação digital SRTM 90m para todo o mundo. Os dados de elevação digital SRTM, produzidos pela NASA originalmente, são um grande avanço no mapeamento digital do mundo e proporcionam um grande avanço na acessibilidade de dados de elevação de alta qualidade para grandes porções dos trópicos e outras áreas do mundo em desenvolvimento.

 Para fazer o download gratuito dos dados  clique aqui!

13 – Terra Populus

O Terra Populus integra dados do recenseamento populacional de todo o mundo com dados ambientais globais, permitindo que os usuários obtenham conjuntos de dados personalizados que incorporem dados de múltiplas fontes em uma única estrutura coerente.

 O Terra Populus inclui microdados para mais de 80 países e dados agregados da população para mais de 80 países. Inclui também o uso do solo / cobertura do solo e dados climáticos.

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

14 – Socioeconomic Data and Applications Center (SEDAC)

 O Centro de Dados e Aplicações Socioeconômicas da NASA (SEDAC) operado pelo CIESIN coletou e acompanhou cuidadosamente dados populacionais e de fronteira para mais de 13 milhões de unidades administrativas subnacionais, um aumento de 31 vezes em relação à versão 3. Foram obtidos dados aprimorados para mais de 100 países, incluindo muitas nações das pequenas ilhas. Grids de contagem de população e densidade, área de terra, área de água e indicadores de qualidade de dados estão disponíveis para download gratuito.

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

15 – HydroSHEDS

HydroSHEDS é um produto de mapeamento que fornece informações hidrográficas para aplicativos de escala regional e global em um formato consistente. Ele oferece um conjunto de dados georreferenciados (vetor e raster) em várias escalas, incluindo redes de rios, limites das bacias hidrográficas, direções de drenagem e acumulações de fluxo. HydroSHEDS baseia-se em dados de elevação de alta resolução obtidos durante um voo do ônibus espacial para a missão de topografia de radar de transferência da NASA (SRTM).

 Para fazer o download gratuito dos dados clique aqui!

Share This:

car

Secretaria de Estado do Ambiente e Instituto Estadual do Ambiente avançam com o Cadastro Ambiental Rural no Rio de Janeiro

A Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro e o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) lançam na quarta-feira (24) o Módulo de Análise do Cadastro Ambiental Rural, o CAR. O evento contará com a presença do ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho.

O Cadastro Ambiental Rural (CAR) é um registro público eletrônico, obrigatório para todos os imóveis rurais com a finalidade de integrar as informações ambientais referentes à situação das Áreas de Preservação Permanente (APP), das áreas de Reserva Legal, das florestas e dos remanescentes de vegetação nativa, das Áreas de Uso Restrito e das áreas consolidadas das propriedades e posses rurais do país.

Instituído pela Lei Federal nº 12.651/2012, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente (SINIMA), o CAR constitui a base de dados estratégica para controle, monitoramento e combate ao desmatamento de florestas e demais formas de vegetação nativa do Brasil, bem como para planejamento ambiental e econômico dos imóveis rurais.

Após o envio das informações por parte dos proprietários e posseiros rurais, o cadastro passa por análise, validação e aprovação dos dados apresentados. As informações analisadas e validadas irão também subsidiar a elaboração de políticas públicas, nortear as ações do Programa de Regularização Ambiental – PRA, dimensionar o desafio de produção de mudas dos hortos florestais estaduais, trazer informações ambientais relevantes que auxiliem a gestão das Unidades de Conservação e principalmente implementar a Lei Federal n°12.651/12 (“Novo Código Florestal”) em áreas de interesse especial do Estado.

Somente no estado do Rio de Janeiro já foram realizados cerca de 37.500 cadastros, que começaram a ser validados no dia 16 de maio.  Os números mostram um avanço no território fluminense, que foi conseguido por meio de parcerias formalizadas pelo Inea com os comitês de bacias hidrográficas e com o Ministério do Meio Ambiente.

O Inea também firmou Acordos de Cooperação com 23 municípios fluminenses para auxiliar os pequenos proprietários rurais  nas inscrições e nas respostas às demandas da validação.

A Gissoluções, desenvolve projetos de levantamento para planejamento ambiental, informações ambientais relevantes que auxiliem a gestão das Unidades de Conservação e base de dados estratégica para controle, monitoramento para cadastro de imóveis rurais inclusive.

Veja o site: www.gissolucoes.com.br

Share This:

SPRING

Software do INPE conquista mais de 200 mil usuários

O SPRING, software livre desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), ultrapassou em setembro de 2014 a marca de 200 mil usuários e continua registrando  downloads  para seus interessados.

Destinado a aplicações de sensoriamento remoto e mapeamento, o SPRING é o software livre de informação geográfica mais utilizado no Brasil por pesquisadores e estudantes.  O sistema também é utilizado por milhares de usuários da Colômbia, Estados Unidos, Espanha, Argentina, Portugal, França, México, Peru, Índia, Venezuela, Itália, Chile e Alemanha, entre outros países.

Com funções de processamento de imagens, análise espacial, modelagem numérica de terreno e consulta a bancos de dados espaciais, o SPRING pode ser utilizado em áreas diversas como agricultura, gestão ambiental, estudos de florestas, geografia, geologia, planejamento urbano e regional.

A GISCursos realiza capacitação em SPRING presencial, de Introdução ao Processamento Digital de Imagens (PDI) com prática no software SPRING.

Com introdução teórica breve  e totalmente prática com projetos reais, o curso apresenta as funções de processamento de imagens, análise espacial, modelagem numérica de terreno e consulta a bancos de dados espaciais no software SPRING. Através do ambiente desenvolvido por nossos mestres docentes, o aluno completa as etapas do curso e produz seus próprios produtos cartográficos.

O curso de Introdução ao PDI – Prática com SPRING foi programado para um total de no mínimo 10 horas de estudo, sem contar os acessos aos conteúdos complementares (artigos, tutoriais, webinars, etc.).

Mais informações: www.giscursos.com.br

 

Share This:

fereramentas de geoprocessamento

Ferramentas de análise da morfodinâmica

O monitoramento e análise do comportamento dinâmico dos processos ambientais são trabalhos considerados atualmente, muito importantes. Para realizá-los com mais eficiência e qualidade, é preciso sempre utilizar escalas adequadas para alcançar o detalhamento necessário, exigido pela temática da pesquisa. Outros aspectos a considerar são o tempo de acompanhamento do processo e a precisão empregada.
Existem muitas metodologias e, frequentemente, novos equipamentos, instrumentos e tecnologias que são empregados para trabalhos de pesquisa em várias áreas do conhecimento e no acompanhamento de processos naturais. A produção e a utilização dessas ferramentas comuns também se orientam na necessidade de atender os objetivos de aplicações inerentes às temáticas específicas de cada uma dessas áreas de conhecimento.
Para acompanhar o comportamento dos processos ambientais hoje,é indispensável o uso de sistemas globais de posicionamento (GPS); sensoriamento remoto com as imagens; o geoprocessamento empregando bancos de dados e sistemas geográficos de informação (SGI) ou (SIG).
No caso das praias por exemplo, estabelecer comparações entre suas áreas ao longo do tempo e a criação de mapas, com o emprego de imagens de satélite e geoprocessamento é também um procedimento eficiente e usual, para mapear e responder onde, como e quanto a praia aumentou em área por deposição ou diminuiu por erosão.
A cada dia, instrumentos e equipamentos antigos são aperfeiçoados ou aparecem novos. As novas tecnologias permitem aprimorar a qualidade dos resultados obtidos. Além disso, são criadas novas aplicações, visando atender a demanda de melhor conhecer os fenômenos naturais ou induzidos pela ação humana.
Softwares como o ArcGIS, o Quantum GIS, Spring software livre desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) entre outros são importantes para o auxílio ao levantamento e a pesquisa.
Venha para a GISCursos e capacite-se em Geoprocessamento com cursos presenciais totalmente práticos com nossos profissionais, todos a nível mestres e doutores em diversas áreas.

Share This:

DIG_geoprocessamento

DIG: uma proposta de disseminação do Geoprocessamento para estudantes e profissionais da Geografia.

O projeto tem por objetivo apoiar, incentivar e desenvolver atividades de ensino do Geoprocessamento no âmbito das Geociências, envolvendo a realização de cursos de capacitação (presenciais e à distância) de professores e alunos. A metodologia utilizada para atender os objetivos, consiste na elaboração de apostilas e/ou tutoriais sobre o programa Quantum GIS, a plataforma de ArcGIS online, entre outras. Os materiais didáticos (apostilas e vídeo-aulas) ficam disponíveis em uma plataforma de ensino à distância, viabilizada por uma parceria entre a GISCURSOS e a DIG-UERJ, que permitiram a utilização de seu site online (http://www.giscursos.com.br/online) onde foi criado um curso de Geotecnologias aplicadas ao ensino fundamental e(ou) médio.

Como apoio à disseminação do conteúdo do projeto e de divulgação dos cursos, criou-se um Blog (http://www.diguerj.wordpress.com), onde também são postados artigos contendo conceitos e novidades. Portanto, o projeto vem conseguindo resultados importantes na disseminação da geotecnologia entre alunos da licenciatura e professores formados, seguindo os Parâmetros Curriculares Nacionais (PCNs) em Geografia.

Para o presente curso, é necessário o preenchimento de um formulário, onde os alunos inscritos dirão suas informações e seus níveis de conhecimento em informática e em geoprocessamento. Logo após, os alunos serão submetidos à uma avaliação dos coordenadores do curso para então serem, efetivamente, inscritos. As turmas terão o limite de 20 alunos inscritos, e o curso terá a duração de aproximadamente 1 mês, e é inteiramente grátis.

O link do formulário para pré-inscrição é: https://goo.gl/1FTli1

Share This:

20170409_121917

IMB lança nova ferramenta de estatísticas georreferenciadas

Está disponível no Portal Sieg a nova ferramenta de Estatísticas Georreferenciadas desenvolvida pelo pesquisador em geoprocessamento Bernard Silva de Oliveira, da Gerência de Cartografia e Geoprocessamento do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (IMB), da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan).

Antes da reformulação, a ferramenta já possibilitava ao usuário consultar indicadores municipais do Banco de Dados Estatísticos (BDE), mantido e atualizado pelo IMB, e a partir desta consulta, permitir o download de um arquivo georreferenciado que pode ser utilizado em softwares de Sistema de Informação Geográfica (SIG), além da visualização e do download das tabelas.

Com a nova ferramenta, o usuário passa a contar com uma plataforma de mapas interativos, onde é possível não só baixar o arquivo georreferenciado, mas também visualizar e imprimir um mapa com o indicador escolhido.

Esta novidade possibilita ao cidadão o acesso facilitado a mapas com os principais indicadores municipais disponíveis para o Estado de Goiás, o que antes só era possível para usuários com conhecimentos específicos em geoprocessamento.

As Estatísticas Georreferenciadas podem ser acessadas a partir do Portal Sieg ou por este link.

Share This:

gisAndroid

Aplicativos de GIS interessantes para Android.

Top 5 aplicativos de GIS que não podem faltar no seu Android.

5 aplicativos que não podem faltar no seu celular Android.

1. QGIS: criar, editar, visualizar, analisar e publicar informação geoespacial. É praticamente o software QGIS completo, adaptado para dispositivos móveis.
QGIS
2. QField for QGIS: combina um design minimalista com sofisticada tecnologia para obter dados a partir do campo para o escritório de uma forma confortável e fácil. Desencadeia todo o poder do QGIS styling para trazer seus mapas personalizados para o campo, recolher atributos para recursos com widgets editar configurados como listas de valores, caixas, texto livre ou fotos tiradas com a câmera do dispositivo. QField é um projeto open source, que podem ser encontrado na internet.
Qfield for QGIS
3. Colletor for ArcGIS: utilize mapas em qualquer lugar para verificar seus dados, fazer observações e responder por eventos. Você irá melhorar a eficiência da sua mão-de-obra em campo e a precisão do seu GIS. Com o Colletor você pode coletar e atualizar dados utilizando o mapa ou GPS; baixar mapas no seu dispositivo e trabalhar offline; coletar pontos, linhas, áreas e dados relacionados; preencher os formulários de mapa dinâmicos de fácil uso; anexar fotos  e muito mais.
Colletor for ArcGIS
4. MapIt – Coletor de dados SIG: uma ferramenta desenvolvida para a coleta de dados para Sistemas de Informação Geográfica (SIG) com base em GPS ou mapas. É uma ferramenta SIG móvel utilizada para coleta de dados no campo por profissionais da área ambiental ou que utilizam outros tipos de dados geográficos. O MapIt torna a coleta de dados para os SIG uma tarefa fácil, rápida e mais eficiente.
MapIt
5. Mappt – Solução GIS Móvel: poderosa solução SIG móvel para Android fácil de usar e que foge da dependência tradicional dos pacotes pré-existentes para desktop. Usado em mais de 100 países, em indústrias que vão de educação a agricultura, mineração e defesa. Construído de forma agnóstica e interoperável. Essa flexibilidade dá aos usuários a confiança de uma aplicação robusta que consegue lidar com todo o tipo de ambiente de trabalho – incluindo áreas remotas, uma vez que o também funciona offline.
MapptVeja nossa pagina no facebook.

Consulte-nos para capacitação em Geoprocessamento:
Rua Conde de Bonfim 120/713.
Tijuca- Tijuca Office Center
Tel: 213687-3976/ 3576-0691/98854-9132 WhatsApp.

Share This:

professores

Projeto desenvolvido por professores do AM é apresentado em conferência na França.

Os professores Aldemir Malveira e Newton Lima, da Secretaria de Estado de Educação e Qualidade do Ensino do Amazonas (Seduc/AM), participaram da 9ª Conferência Internacional em Geografia Avançada – Sistemas de Informação, Aplicações e Serviços, que foi realizada na cidade de Nice, na França.

Na ocasião, os professores apresentaram o trabalho intitulado “Expedição Fluvial – Rio Amazonas (Peru-Brasil): Relato do tempo presente da biosfera-atmosfera no Rio Amazonas em período de seca (Julho 2016), com uso de geoprocessamento e transformada em Ondeleta de Morlet”.

Para a realização da parte prática do projeto, os professores, juntamente de uma equipe de pesquisadores, saíram em uma expedição, fazendo um relato do tempo presente em período de seca do rio Amazonas, de Iquitos (Peru) até Manaus (Brasil).

Durante a viagem, foram feitas coletas de amostra de água, medidas de temperatura, umidade do ar, pressão atmosférica, temperatura à superfície do rio, direção do vento e precipitação de chuva com todos os dados georreferenciados. O trabalho foi feito entre os dias 13 e 30 de julho de 2016.

De acordo com o professor Aldemir Malveira, a proposta do trabalho foi mapear a trajetória do rio Amazonas, confrontando com os dados da Agência Espacial Americana (Nasa).

“A ideia do trabalho surgiu a partir da Nasa, que faz todo o mapeamento do espaço, através do geoprocessamento, mapeando toda a trajetória do rio Amazonas vindo de Iquitos (Peru) até o desaguar no oceano. A nossa proposta foi confrontar os dados da Nasa, fazendo esse levantamento no próprio rio. Então fomos até Iquitos e fizemos a coleta dos dados até Macapá. Depois de processar os resultados, verificamos que os dados “batem” com os da Nasa, pois apesar de serem medidos pelo espaço, eles são precisos”, explicou o professor.

Contribuição

Ainda segundo o professor Aldemir, a trajetória que eles fizeram foi a mesma que realizou o explorador espanhol Francisco de Orellana, quando fez toda a exploração do rio Amazonas.

“A grande contribuição para a academia do geoprocessamento é que os dados foram medidos em nível de água e não em nível de espaço e os resultados batem com os dados apresentados pela Nasa. Outras universidades fizeram pesquisas semelhantes, mas sempre do espaço. Nesse formato, conhecendo a trajetória do rio, é a primeira vez que foi realizado”, contou o professor.

Aldemir afirma ainda que o trabalho tem impacto positivo na rede estadual do Amazonas. “Esse é mais um trabalho da rede estadual do Amazonas e reforça as estações de geoprocessamento que as escolas possuem, que é um projeto do Governo do Estado, em que algumas unidades de ensino têm essas estações de geoprocessamento e referenciamento, contribuindo para o sucesso desse trabalho e dando projeções positivas para a Secretaria de Educação”, concluiu.

Conferência Internacional

A Associação Internacional de Academia, Pesquisa e Indústria (Iaria), organizadora da conferência, promove intercâmbios científicos e industriais entre membros de associações existentes, organismos de normalização e fóruns e estabelecer pontes entre diferentes culturas científicas, acadêmicas e industriais.

A Iaria está se concentrando em tecnologias avançadas, produtos do amanhã e invenções, promovendo-os através de vários eventos e publicações. A maioria dos eventos está direcionando resultados avançados.

Com informações da assessoria.

Fonte: http://www.emtempo.com.br/

Share This: