Arquivos da categoria: Análise de Risco

gis

O que é SIG?

GIS é um sistema que pretende capturar, armazenar, gerenciar, manipular, analisar, os dados geográficos.

O termo GIS raramente usado para ciência da informação geográfica (Geociências) se relaciona com o sistema acadêmico que estuda os sistemas de informação GIS . É um vasto domínio dentro da disciplina acadêmica mais ampla da Geo-informática. O que vai além de um SIG é uma infraestrutura de dados espaciais, um conceito que não possui limites tão limitantes.

O sistema de informação GIS é um caso particular de sistemas de informação em que o banco de dados inclui observações sobre recursos, atividades ou eventos espacialmente detalhados, que são definidos no espaço como pontos, linhas ou áreas.

Um sistema de informação geográfica (GIS) gerencia dados sobre essas áreas, pontos e linhas, ajudando assim na recuperação de informações de dados.

O sistema de informação GIS já influenciou a maioria de nós em algumas das outras maneiras, sem que nós o reconheçamos. Se você já usou um programa de mapeamento da Internet para encontrar instruções, parabéns, você usou pessoalmente o GIS!

A última cadeia de supermercados na esquina aparentemente estava localizada usando GIS, portanto, ajudou na determinação do local mais efetivo para atender a demanda do cliente.

Abaixo estão os usos básicos do SIG:

Usos do SIG

Mapeamento de dados: a função primária de um sistema de informação SIG é apresentar uma representação visual de dados. Assim, o GIS mostra a coleta de dados e, em seguida, o representa no formato de mapa visual.

Análise de proximidade: uma análise de proximidade é um procedimento analítico que ajuda na determinação da relação entre um determinado local e outros locais, bem como pontos que estão em conexão uns com os outros de alguma forma. Várias organizações empresariais também usam Análise de Proximidade para identificar sites adequados para estabelecimentos comerciais.

Buffering: o buffer é a técnica usualmente usada com análise de proximidade para mostrar a esfera de influência de um determinado ponto. O buffer não é apenas útil para construir uma zona em torno de uma determinada característica geográfica para além disso, mas também para investigação usando o método de sobreposição.

Localizar Clusters: um cluster pode envolver membros onde uma distância entre eles é decididamente menor do que uma determinada quantidade ou áreas em que os pontos são densos, mais significativos do que um nível específico.

Encontrar o mais próximo: um procedimento que é usado para medir as distâncias dentro de um ponto e a borda de um elemento particular que define como um polígono usando pontos vetoriais.

Análise de localização: o melhor método para classificar um local para uma nova tomada local. O procedimento que se desenvolveu a partir de abordagens teóricas pode ser usado para explicar as condições detectadas em um algoritmo para identificar locais ótimos.

Ferramenta GIS:

Os aplicativos GIS são ferramentas que permitem aos usuários não só criar consultas interativas ou pesquisas criadas pelo usuário, mas também permitir a análise de informações espaciais, editar dados em mapas e apresentar os resultados de todas essas operações.

Abaixo está a lista de ferramentas de GIS usadas mais comumente, elas são:

  • Superposição e proximidade
  • Superfícies
  • Estatísticas espaciais e não espaciais
  • Gerenciamento de tabela
  • Seleção e extração

Abaixo estão as vantagens do GIS que, portanto, são úteis -

As principais vantagens do SIG são as seguintes:

Melhora a tomada de decisões – as decisões são mais acessíveis devido à informação particular e completa apresentada sobre um ou mais locais.

Diminuir os custos e aumentar a eficiência - principalmente no que se refere aos horários de manutenção, ao progresso da frota ou aos horários agendados.

Uma comunicação facilmente compreensível entre a organização e os departamentos podem ser visualizados no formato visual.

Secure Managing records - As mudanças geológicas são registradas pelos sistemas GIS que são confiáveis ​​para documentar mudanças.

Gerenciando geograficamente - entender o que é e o que ocorrerá em um espaço geográfico, portanto, ajudará a planejar um curso de ação.

Essas são algumas das vantagens que não só poderia fornecer o uso da tecnologia SIG, mas também pode ser uma ótima decisão para usá-la.

O GIS confiou em modificações feitas em muitos tipos diferentes de sistemas GIS:

  • Geografia
  • Cartografia
  • Fotogrametria
  • Sensoriamento remoto
  • Levantamento
  • Geodésia
  • Engenharia Civil
  • Estatisticas
  • Ciência da Computação
  • Pesquisa de operações
  • Inteligência artificial
  • Demografia, e muitos outros ramos ou tipos de SIG.

Share This:

atlas IBGE

O IBGE lança hoje a versão WEB do Atlas Geográfico das Zonas Costeiras e Oceânicas do Brasil.

Em parceria com a Comissão Interministerial para os Recursos do Mar (CIRM), a nova versão é voltada para estudantes e o público em geral, e contém informações sobre os oceanos e o litoral brasileiro, as dimensões histórica, demográfica, econômica, social, cultural e natural. Clique aqui para acessar o aplicativo.

De forma interativa, a versão digital do Atlas tem todas as informações da versão física, publicada em 2011. O objetivo é incentivar a sociedade a pensar, conhecer e valorizar o uso racional da biodiversidade e dos recursos minerais e energéticos presentes nas águas oceânicas, solo e subsolo marinhos, que constituem parte fundamental do desenvolvimento socioeconômico e da sustentabilidade ambiental do país em consonância ao ODS 14 “Vida no Mar” que trata da conservação e uso sustentável dos oceanos, dos mares e dos recursos marinhos para o desenvolvimento sustentável.

Aplicativo permite navegação em ambiente interativo

A nova versão dá ao usuário acesso ao conjunto de mais de 120 mapas editorados e também às bases de dados. Também é permitido fazer download e consulta aos dados geográficos, estatísticos, além de analisar os mapas, podendo fazer navegação, alteração da escala de visualização, visualização e exportação de tabelas e arquivos gráficos, personalização do mapa, gerar imagens e salvar o ambiente de estudo.

Fonte: IBGE, Diretoria de Geociências, Coordenação de Geografia

 

O Atlas é estruturado em sete temas. O mar na história do Brasil ressalta a questão da expansão colonial portuguesa e a importância do mar na organização do espaço brasileiro. O Mapa geopolítico do Brasil aborda a posição relativa do Brasil no Atlântico e na América do Sul, explicitando os seus limites do Mar territorial, Zona contígua e Zona econômica exclusiva.

Ponta do Seixas, em João Pessoa (PB), é o extremo leste do Brasil
Foto: Marco Antônio de Carvalho Oliveira

 

A Evolução geológica dos oceanos detalha a origem e a estrutura tectônica atual das bacias oceânicas, assim como alguns resultados das últimas pesquisas na plataforma continental brasileira, além da questão do potencial de seus recursos minerais. As Características oceanográficas apresentam um quadro geral dos fenômenos oceanográficos no Atlântico, fundamentais ao entendimento das questões ambientais, costeiras e marinhas, no Brasil.

O tema Ecossistemas costeiros e marinhos ressalta a diversidade de ambientes costeiros e marinhos brasileiros, com particular relevância das áreas para conservação e uso sustentável de ecossistemas. A Diversidade de aspectos do litoral brasileiro apresenta mapas de 14 áreas de detalhe da costa brasileira, abrangendo diferentes ambientes e quatro mapas das ilhas oceânicas, e da distribuição de áreas urbanizadas no litoral brasileiro.

Por fim, o capítulo Questões transversais no estudo dos ambientes costeiros e oceânicos trata de vários temas socioeconômicos e sua relação com esses ambientes, abrangendo questões populacionais, turismo, balneabilidade, recursos pesqueiros, estrutura portuária, logística do petróleo e áreas de preservação e proteção ambiental.

Share This:

Go Field Collector

No APP Field Colector você coleta as coordenadas de seu ponto de campo.

Equipes de campo se vêem obrigadas a levar vários itens para registro de cada dado de seu trabalho, como cadernos, planilhas impressas, canetas, lápis, câmeras fotográficas, calculadoras, bússolas, GPS, entre outros. O uso do GO FIELD COLLECTOR em seu celular ou tablet permite a TOTAL PRATICIDADE do trabalho sem a necessidade de levar qualquer outro item.

PRATICIDADE
É FUNDAMENTAL

No APP Field Colector você coleteta as coordenadas de seu ponto de campo, descreve o local e tira fotos, tudo em um mesmo tablet ou celular, on line ou off line.

Pode-se Salvar automaticamente todas as informações coletadas na nuvem e analisar seu trabalho pelo go field collector web. No sistema você pode selecionar os melhores pontos, as melhores fotos e mesmo editar a descrição feita em campo.

Uma das funcionalidades é a produção de fichas de campo automaticamente, para o seu relatório de trabalho. Tudo organizado por missão e assim pode-se Eliminar horas de trabalho em escritório, depois de voltar do campo.

INFORMAÇÕES
ORGANIZADAS

Esqueça as folhas pautadas do caderno, as planilhas em folhas impressas e as dezenas de post-its. No GO FIELD COLLECTOR os dados são inseridos em fichas digitais, com campos exclusivos para os tipos de dados e automaticamente organizados em conjuntos para cada missão. O recurso de buscas de qualquer dado registrado permite versatilidade no trabalho e em seu planejamento.

FOTOS ASSOCIADAS
AO PONTO COLETADO

A máquina fotográfica e a caderneta de campo são substituídas pelo uso do GO FIELD COLLECTOR. Para cada ponto registrado o sistema pode associar até 4 fotos, capturadas com a câmera do dispositivo móvel. Estas fotos, assim como as anotações de campo, ficam associadas às coordenadas do ponto visitado e prontas para serem salvas na nuvem e produzirem o seu relatório de campo em poucos minutos.

TRANSMISSÃO DE DADOS
PARA A NUVEM

A versatilidade do GO FIELD COLLECTOR permite o envio dos dados coletados e registrados para a nuvem de forma segura e automática. O envio dos dados é feito no momento em que você tiver uma conexão com a internet. Se estiver off line, o seu trabalho poderá ser feito normalmente e com toda segurança. Os dados irão para a nuvem quando a conexão for restaurada.

TODOS OS SEUS DADOS SOBRE
MAPAS DO GOOGLE

O GO FIELD COLLECTOR se completa com a versão WEB. Acessando o site do sistema, você terá em sua conta, todas as suas missões de campo com seus respectivos dados coletados, organizados e acessíveis, sobre a base do GOOGLE MAPS. Neste ambiente você poderá visualizar, analisar e editar toda a sua produção de campo e também se planejar para o próximo dia de trabalho.

RELATÓRIOS COMPLETOS, CUSTOMIZADOS E PRONTOS

Com o GO FIELD COLLECTOR, o trabalho que era feito antes de forma manual para a produção de fichas de campo e relatórios, passa a ser automático. No ambiente WEB, você seleciona os pontos desejados, edita os textos digitados em campo, escolhe a ordem das fotos ou pode adicionar novas fotos, insere a sua logomarca e então gera o seu relatório de campo. Tudo em poucos minutos!

Fonte: https://www.gofieldcollector.com.br/

#coletadecampo #geoprocessamento #gis #sig #arcgis #qgis #giscursos #analiseambiental #analisederisco

 

 

Share This:

car

Secretaria de Estado do Ambiente e Instituto Estadual do Ambiente avançam com o Cadastro Ambiental Rural no Rio de Janeiro

A Secretaria de Estado do Ambiente do Rio de Janeiro e o Instituto Estadual do Ambiente (Inea) lançam na quarta-feira (24) o Módulo de Análise do Cadastro Ambiental Rural, o CAR. O evento contará com a presença do ministro do Meio Ambiente, José Sarney Filho.

O Cadastro Ambiental Rural (CAR) é um registro público eletrônico, obrigatório para todos os imóveis rurais com a finalidade de integrar as informações ambientais referentes à situação das Áreas de Preservação Permanente (APP), das áreas de Reserva Legal, das florestas e dos remanescentes de vegetação nativa, das Áreas de Uso Restrito e das áreas consolidadas das propriedades e posses rurais do país.

Instituído pela Lei Federal nº 12.651/2012, no âmbito do Sistema Nacional de Informação sobre Meio Ambiente (SINIMA), o CAR constitui a base de dados estratégica para controle, monitoramento e combate ao desmatamento de florestas e demais formas de vegetação nativa do Brasil, bem como para planejamento ambiental e econômico dos imóveis rurais.

Após o envio das informações por parte dos proprietários e posseiros rurais, o cadastro passa por análise, validação e aprovação dos dados apresentados. As informações analisadas e validadas irão também subsidiar a elaboração de políticas públicas, nortear as ações do Programa de Regularização Ambiental – PRA, dimensionar o desafio de produção de mudas dos hortos florestais estaduais, trazer informações ambientais relevantes que auxiliem a gestão das Unidades de Conservação e principalmente implementar a Lei Federal n°12.651/12 (“Novo Código Florestal”) em áreas de interesse especial do Estado.

Somente no estado do Rio de Janeiro já foram realizados cerca de 37.500 cadastros, que começaram a ser validados no dia 16 de maio.  Os números mostram um avanço no território fluminense, que foi conseguido por meio de parcerias formalizadas pelo Inea com os comitês de bacias hidrográficas e com o Ministério do Meio Ambiente.

O Inea também firmou Acordos de Cooperação com 23 municípios fluminenses para auxiliar os pequenos proprietários rurais  nas inscrições e nas respostas às demandas da validação.

A Gissoluções, desenvolve projetos de levantamento para planejamento ambiental, informações ambientais relevantes que auxiliem a gestão das Unidades de Conservação e base de dados estratégica para controle, monitoramento para cadastro de imóveis rurais inclusive.

Veja o site: www.gissolucoes.com.br

Share This:

SPRING

Software do INPE conquista mais de 200 mil usuários

O SPRING, software livre desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), ultrapassou em setembro de 2014 a marca de 200 mil usuários e continua registrando  downloads  para seus interessados.

Destinado a aplicações de sensoriamento remoto e mapeamento, o SPRING é o software livre de informação geográfica mais utilizado no Brasil por pesquisadores e estudantes.  O sistema também é utilizado por milhares de usuários da Colômbia, Estados Unidos, Espanha, Argentina, Portugal, França, México, Peru, Índia, Venezuela, Itália, Chile e Alemanha, entre outros países.

Com funções de processamento de imagens, análise espacial, modelagem numérica de terreno e consulta a bancos de dados espaciais, o SPRING pode ser utilizado em áreas diversas como agricultura, gestão ambiental, estudos de florestas, geografia, geologia, planejamento urbano e regional.

A GISCursos realiza capacitação em SPRING presencial, de Introdução ao Processamento Digital de Imagens (PDI) com prática no software SPRING.

Com introdução teórica breve  e totalmente prática com projetos reais, o curso apresenta as funções de processamento de imagens, análise espacial, modelagem numérica de terreno e consulta a bancos de dados espaciais no software SPRING. Através do ambiente desenvolvido por nossos mestres docentes, o aluno completa as etapas do curso e produz seus próprios produtos cartográficos.

O curso de Introdução ao PDI – Prática com SPRING foi programado para um total de no mínimo 10 horas de estudo, sem contar os acessos aos conteúdos complementares (artigos, tutoriais, webinars, etc.).

Mais informações: www.giscursos.com.br

 

Share This:

fereramentas de geoprocessamento

Ferramentas de análise da morfodinâmica

O monitoramento e análise do comportamento dinâmico dos processos ambientais são trabalhos considerados atualmente, muito importantes. Para realizá-los com mais eficiência e qualidade, é preciso sempre utilizar escalas adequadas para alcançar o detalhamento necessário, exigido pela temática da pesquisa. Outros aspectos a considerar são o tempo de acompanhamento do processo e a precisão empregada.
Existem muitas metodologias e, frequentemente, novos equipamentos, instrumentos e tecnologias que são empregados para trabalhos de pesquisa em várias áreas do conhecimento e no acompanhamento de processos naturais. A produção e a utilização dessas ferramentas comuns também se orientam na necessidade de atender os objetivos de aplicações inerentes às temáticas específicas de cada uma dessas áreas de conhecimento.
Para acompanhar o comportamento dos processos ambientais hoje,é indispensável o uso de sistemas globais de posicionamento (GPS); sensoriamento remoto com as imagens; o geoprocessamento empregando bancos de dados e sistemas geográficos de informação (SGI) ou (SIG).
No caso das praias por exemplo, estabelecer comparações entre suas áreas ao longo do tempo e a criação de mapas, com o emprego de imagens de satélite e geoprocessamento é também um procedimento eficiente e usual, para mapear e responder onde, como e quanto a praia aumentou em área por deposição ou diminuiu por erosão.
A cada dia, instrumentos e equipamentos antigos são aperfeiçoados ou aparecem novos. As novas tecnologias permitem aprimorar a qualidade dos resultados obtidos. Além disso, são criadas novas aplicações, visando atender a demanda de melhor conhecer os fenômenos naturais ou induzidos pela ação humana.
Softwares como o ArcGIS, o Quantum GIS, Spring software livre desenvolvido pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe) entre outros são importantes para o auxílio ao levantamento e a pesquisa.
Venha para a GISCursos e capacite-se em Geoprocessamento com cursos presenciais totalmente práticos com nossos profissionais, todos a nível mestres e doutores em diversas áreas.

Share This:

20170409_121917

IMB lança nova ferramenta de estatísticas georreferenciadas

Está disponível no Portal Sieg a nova ferramenta de Estatísticas Georreferenciadas desenvolvida pelo pesquisador em geoprocessamento Bernard Silva de Oliveira, da Gerência de Cartografia e Geoprocessamento do Instituto Mauro Borges de Estatísticas e Estudos Socioeconômicos (IMB), da Secretaria de Gestão e Planejamento (Segplan).

Antes da reformulação, a ferramenta já possibilitava ao usuário consultar indicadores municipais do Banco de Dados Estatísticos (BDE), mantido e atualizado pelo IMB, e a partir desta consulta, permitir o download de um arquivo georreferenciado que pode ser utilizado em softwares de Sistema de Informação Geográfica (SIG), além da visualização e do download das tabelas.

Com a nova ferramenta, o usuário passa a contar com uma plataforma de mapas interativos, onde é possível não só baixar o arquivo georreferenciado, mas também visualizar e imprimir um mapa com o indicador escolhido.

Esta novidade possibilita ao cidadão o acesso facilitado a mapas com os principais indicadores municipais disponíveis para o Estado de Goiás, o que antes só era possível para usuários com conhecimentos específicos em geoprocessamento.

As Estatísticas Georreferenciadas podem ser acessadas a partir do Portal Sieg ou por este link.

Share This:

Impactos Ambientais e Riscos ambientais

Evento da GISCursos abordará as técnicas de modelagem de Impactos ambientais e Análise de Riscos Ambientais.

Impactos Ambientais e Riscos ambientais
Impactos Ambientais e Riscos ambientais

Como dimensionar o risco geográfico?

Nos últimos anos, a preocupação com o surgimento de novas áreas de risco, paralelo ao agravamento da situação nas áreas já ocupadas, se mostra crescente. Os principais fatores que contribuem para esta situação são: o adensamento populacional em locais de risco, o crescimento desordenado da urbanização e a forte exclusão socioespacial da população de baixa renda. Diante disso, a incapacidade do Estado em suprir as necessidades urbanas se torna patente, a partir do momento que o estado não dispõe de técnicas para dimensionar o risco.

O risco, por sua vez, se define quando todas as variáveis de uma situação são conhecidas e você consegue calcular as probabilidades de cada uma delas acontecerem. Assim, ao combinar os resultados, o usuário dispõe da medida precisa de chances do objeto do risco (deslizamento, erosão, implantação de infra-estrutura) resultar na indicação de áreas com o perfil positivo e negativo.

Um outro fator de avaliação de risco é a adaptação das áreas de interesse aos dispositivos previstos em lei. A legislação ambiental, por sua vez, apoia os gestores estabelecendo critérios espaciais de modelagem de risco. O fator declividade, por exemplo, se mostra fundamental na indicação de áreas restritivas e, consequentemente, na avaliação de determinados usos do solo dentro destas áreas. A tecnologia SIG (Sistemas de Informação Geográfica) tem o papel de apontar estas áreas de risco.

Esta tecnologia oferece um conjunto de ferramentas que nos permite relacionar as variáveis que fazem parte da situação avaliada. A aplicação dos critérios, previstos em lei, se mostra favorável neste ambiente, pois, utilizando de dados geográficos, o projeto exibe o comportamento espacial da área de interesse com qualidade métrica e posicional.

Neste treinamento, serão abordadas as técnicas de modelagem de risco, as ferramentas de aplicação de critérios espaciais previstos em lei e a confecção do produto cartográfico, essencial na comunicação de risco a população envolvida com o projeto. Dessa maneira, o aluno terá o conhecimento técnico necessário para modelar qualquer situação relevante dentro de uma área de interesse e, por conseguinte, subsidiar na aplicação de políticas públicas.

Valor do Curso: R$650,00
Forma de pagamento com cartão ou boleto com PagSeguro em até 3 vezes sem juros, acesse o link abaixo:

http://www.giscursos.com.br/curso_qgis.html

Deposito Bancário entre em contato: 21988549132 – WhatsApp inclusive.

FONTE: Divulgação GISCursos.

Share This: